Os hinos da harpa cristã desmentem o "arrebatamento secreto".

Harpa Cristã é o hinário oficial das Assembleias de Deus no Brasil. Ela foi especialmente organizada com o objetivo de enlevar o cântico congregacional e proporcionar o louvor a Deus nas diversas liturgias da igreja: culto público, santa ceiabatismocasamentoapresentação de criançasfuneral, etc. Nele estão escritos hinos que tratam de diversos temas como salvação, oração, libertação e também a segunda vinda de Jesus. Analisaremos aqui os hinos que tratam da segunda vinda do SENHOR Jesus e veremos se em alguns deles a doutrina do “arrebatamento secreto” é relatada. 

  •  34. Milícia de Jesus.

     – Autor/Tradutor: H.M.W – H. Maxwell Wrigth

E os remidos todos verão seu Salvador;
E transformados, todos, serão como o Senhor. (3º estrofe).

  •  48 . O dia do triunfo de Jesus

     – Autor/Tradutor: H.M.W – H. Maxwell Wrigth

Quando lá do céu descendo, para os Seus, Jesus voltar, E o clarim de Deus a todos proclamar, Que chegou o grande dia do triunfar do meu Rei, Eu, por Sua imensa graça, lá estarei. (1° estrofe)
  • 469 – Ao Estrugir a Trombeta. – Autor/Tradutor: P.L.M – Paulo Leivas Macalão


Quando o céu for enrolado e o sol não der mais luz

O meu nome ouvirei Jesus chamar; 

Passarão a terra, o mar, mas permanecerá Jesus, 

Que meu nome vai na glória pronunciar. (2º estrofe)

  • 442 – Breve Verei o Bom Jesus. – Autor/Tradutor: P.L.M – Paulo Leivas Macalão.

Breve no céu, Jesus há de aparecer Em gloriosa luz; todos O hão de ver Naquele dia, então, eu hei de receber De Cristo galardão; oh! que prazer! (1° estrofe).
  • 323 – Levantai Vossos Olhos – Autor/Tradutor: P.L.M – Paulo Leivas Macalão.

Levantai os vossos olhos para cima, Ó remidos do Senhor Jesus! A figueira mostra que se aproxima O verão: Brotos já produz! (1° estrofe)
Ser arrebatado, eu, p’ro céu, quem dera! Pois a Igreja Cristo levará. A figueira está em flor, é primavera, Levantai os vossos olhos já. (4° estrofe)
  • 317 – Jesus Vem Triunfante – Autor/Tradutor: P.L.M – Paulo Leivas Macalão

Como brilha do oriente O relâmpago ao ocidente, Deste mundo voltará do céu, Jesus; Levará Sua Noiva em gozo Ao Seu lado mui ditoso, Para o lar eterno de celeste luz. (1° estrofe)

Jesus vem, vem triunfante, Com Seus olhos chamejantes, Pois Sua face brilhará qual luz do sol! Mui felizes os que clamam. Sua vinda, pois O amam, E no céu, os nomes escritos têm no rol.(3° estrofe)
Jesus vem, qual sol raiando, Este mundo iluminando, A Igreja subirá ao encontro Seu; Na Sua mão traz luz brilhante, Qual estrela cintilante, E os louvores se ouvirão nos altos céus! (4° estrofe)

  • 514 – Em Glória Esplendente – Autor/Tradutor: P.L.M – Paulo Leivas Macalão


Em glória esplendente, na nuvem luzente, Ao mundo virá, outra vez, o Senhor; O santo Cordeiro, que lá no madeiro, Verteu o Seu sangue purificador. (1° estrofe)

  • 525 – Vencendo Vem Jesus – Autor/Tradutor: J.W.H – Júlia Ward Howe

Eis que em glória refulgente Sobre as nuvens descerá, E as nações e os reis da terra Com poder governará. Sim, em paz e santidade Toda a terra regerá: (3° estrofe)

  • 300 – Nossa Esperança – Autor/Tradutor: A.S – Almeida Sobrinho


Jesus, sim, vem do céu, em glória Ele vem! Ecoa a nova pelo mundo além; Oh esperança que a Sua Igreja tem! Dai glória a Deus, Jesus em breve vem! (1° estrofe)

Jesus, sim, vem do céu cercado de esplendor, Aniquilando a corrupção e a dor, Quebrando os laços do astuto usurpador, Dai glória a Deus, Jesus em breve vem! (3° estrofe)

Meus queridos irmãos amados, observem que estes homens de Deus esperavam uma vinda visível do Senhor Jesus e não secreta. Tem muito mais hinos na harpa cristã que retratam a segunda vinda do Senhor Jesus, não vejo necessidade de por todos pois creio que estes já são o bastante para provar que a segunda vinda de Jesus não é secreta.  O arrebatameto vai acontecer, nunca neguei isso neste blog, mas secreto ele não será.

A passagem em Mateus 24:40-41 “Então dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro, duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra” não contém nada que indique um arrebatamento secreto. O fato é que não há nenhuma referência bíblica que apóie o arrebatamento secreto  e nem uma volta secreta de Cristo Jesus. O Novo Testamento ensina que a volta de Jesus será pública e notória. A Escritura não nos deixa em dúvida quanto a visibilidade da volta do Senhor (Mt 24:30; 26:64; Mc 13:26; Lc 21:27; At 1:11; Hb 9:28; Ap 1:7). Embora se use II Pedro 3:10 para apoiar uma vinda secreta de Cristo, as afirmações são incoerente e contraditórias, o texto nos diz : “Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas”. Está evidente que o texto e contexto falam DO DIA DO SENHOR. Então por que se pega um pedaço deste texto Virá, entretanto, como ladrão e usa-se para defender o arrebatamento secreto? Além disto os comentaristas das notas de rodapé das Bíblias, dizem que o Dia do Senhor e o arrebatamento secreto são dois eventos diferentes, e no entanto utilizam este texto que fala do Dia do Senhor para defender o arrebatamento secreto. O que entendo aqui é que Jesus usou a metáfora como ladrão para indicar o caráter inesperado do evento e não secreto.

Uma vez que não encontramos qualquer apoio Bíblico para está crença do ” arrebatamento secreto” devemos nos perguntar de onde surgiu então esta idéia. Surgiu no século XIX entre 1800 e 1882 em uma conferência profética na Igreja de Edward Irving (Pastor expulso da Igreja Presbiteriana) quando uma “irmã” teria tido uma visão de um arrebatamento secreto. John Nelson Darby um membro dos chamados Irmãos de Plymouth aceitou a suposta visão como sendo a voz do Espírito Santo. Outros a rejeitaram e por isso houve uma grande divisão entre os Irmãos Plymouth. Darby visitou os EUA por seis vezes para expor seus pensamentos envolvendo a muitos e difundido suas idéias, Porém o maior impacto na divulgação foi com Scofield (1843-1927) com sua Bíblia de referência que foi largamente distribuída e aceita pelos meios conservadores “fundamentalistas” e pelos leigos, como auxílio ao estudo da Palavra de Deus. 


Anúncios

Para os crentes a “santa ceia” para os católicos a ‘eucaristia”. Qual é a diferença? O que a Bíblia ensina ?


Para os crentes a “santa ceia” para os católicos a ‘eucaristia”. Qual é a diferença? O que a Bíblia ensina ?


Eucaristia.
Os sacerdotes católicos ensinam que a Eucaristia é verdadeiramente o corpo de Cristo, não uma representação Dele, mas o próprio Senhor que no momento da consagração manda seu Espirito sobre a hóstia, e ela se torna o corpo de Jesus Cristo. Ou seja, Jesus Vivo, em carne Viva.

ESTE É O MEU CORPO E ESTE É O MEU SANGUE (quem não beber do Meu Sangue e não comer do Meu Corpo…não terá parte comigo) “….Deus está em toda a parte, mas Ele está realmente presente na Sagrada Hóstia, com seu Corpo, Sangue Alma e Divindade. Deus nos fez sociais, e devemos honrá-Lo não só em particular, como também publicamente.”
Esta definição católica que a hóstia no memento da eucaristia se torna não um “símbolo’, mas “verdadeiramente o corpo e o sangue de cristo” gera nos fies a crença de que neste momento eles entram em contato com o corpo e com o sangue de Jesus Cristo. A crença é tal forte os fieis até se ajoelham diante do sacerdote que carrega a hóstia para a adorá-la como se ali cristo estivesse plenamente como homem e Deus.
Santa ceia.
Para os cristão protestantes o significado da Santa Ceia é outro diferente da eucaristia. Para os crentes é ensinado que a comunhão não é para repetir o sacrifício de Cristo, mas para relembrar com gratidão que Cristo nos amou a ponto de morrer por nós.
Dentro da teologia evangelical a Eucaristia é chamada geralmente por “Santa Ceia” ou “ceia do Senhor”, derivando da teologia de Zwinglio. O reformador suíço doutrinava que a ceia não podia promover efeitos espirituais, sendo apenas um símbolo e tendo como único efeito o de lembrança, e não como sendo literalmente transformada na carne e sangue de Cristo.

O que a Bíblia ensina ?
A Bíblia diz em Mateus 26:26-28 “Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, abençoando-o, o partiu e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. E tomando um cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; pois isto é o meu sangue, o sangue do pacto, o qual é derramado por muitos para remissão dos pecados.”
Será que nesta passagem Jesus está ensinado literalmente que o pão se transforma em sua carne e que o vinho se transforma em em seu sangue? Se em toda Bíblia Sagrada apenas esta passagem retratasse o assunto, a resposta seria sim. No entanto o Senhor Jesus Cristo em outra passagem deixou bem claro como deveria ser celebrada esta ocasião. Veja:
Em Lucas 22.15-19 está escrito o seguinte: E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos. E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça; Porque vos digo que não a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus. E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai-o, e reparti-o entre vós; Porque vos digo que já não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus. E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Aqui lucas está deixando bem claro a intenção de Jesus quando instituiu a santa ceia. Jesus disse-lhes, fazei isto em memória de mim.
Em a palavra em “memória”, deixa claro e evidente que trata-se de relembrar a ocasião em que Jesus Cristo FOI ENTREGUE COMO NOSSO CORDEIRO PASCAL PARA A REMISSÃO DOS NOSSOS PECADOS. E não para adorar um pedaço de pão como se fosse o próprio Cristo. Isto a Bíblia chama de idolatria, pois o SENHOR diz não tenham outros deuses além de mim. Além disso a Bíblia diz que o SENHOR não habita em templos feitos por mãos de homens (Atos 7.48). Se Jesus incorporasse ou habitasse na hórtia(templo feito por homens) como ensina os sacerdotes católicos a Bíblia entraria em contradição e o SENHOR estaria mentindo. Mas sabemos que o SENHOR não mente e nem a Bíblia entra em contradição.
O Apostolo Paulo entendeu perfeitamente o significado da santa ceia e inspirado pelo Espírito Santo explicou para a Igreja de Cristo como deveria ser celebrada. Acompanhe e medite no que está escrito em 1 Corintios 11.25-34.
Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim.
Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.
Portanto, qualquer que comer este pão,(material que tem simbolismo espiritual) ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.
Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice.(Teste de consciência para ver se você está ou não em comunhão com Cristo)
Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.(Não somos santificados ao comermos o pão e bebermos o vinho. Já devemos estar santificados, sem pecados antes de comer e beber o pão e o vinho)
Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem. (Quem participa da ceia estando em pecado morre espiritualmente.)
Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.
Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.”
Portanto, meus irmãos, quando vos ajuntais para comer, esperai uns pelos outros.
Mas, se algum tiver fome, coma em casa, para que não vos ajunteis para condenação. Quanto às demais coisas, ordená-las-ei quando for.

AMADOS IRMÃOS CATÓLICOS NÃO ESTOU JULGANDO NEM UM DE VÓS. MAS EM NOME DE JESUS CRISTO CREIA QUE A BÍBLIA ESTÁ ACIMA DE QUALQUER TRADIÇÃO E NÃO AO CONTRARIO. CREIAM QUE A BÍBLIA É A PALAVRA DE DEUS E QUE TODO O QUE ESTÁ NELA É DO ESPÍRITO SANTO. CONHECAM A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ.
NÃO SIGUAM AOS SACERDOTES SEGOS QUE AMAM MAIS AS TRADIÇÕES DA IGREJA DO QUE A PALAVRA DE DEUS. SE UM SEGO GUIA OUTRO SEGO AMBOS VÃO CAIR NO BURACO.

ASSIM DIZ O SENHOR: SAI DELA POVO MEU PARA QUE NÃO SEJAM PARTICIPANTE DOS SEUS FRAGELOS.

Comparando os Ensinos do Apóstolo Pedro com o Dogma da Igreja Católica

Parece que seja qual for o assunto que você escolher para lidar, a vida e os escritos de Pedro testificam contra o catolicismo romano. Examinemos o que Pedro escreveu em suas epístolas e comparemos com as práticas e doutrinas de Roma. Vamos começar com os ensinos de Roma de que a palavra de Deus e a tradição são iguais. De acordo com o Catecismo n° 82:
Daí resulta que a Igreja, à qual estão confiadas a transmissão e a interpretação da Revelação, não deriva a sua certeza a respeito de tudo o que foi revelado somente da Sagrada Escritura. Por isso, ambas devem ser aceitas e veneradas com igual sentimento de piedade e reverência.” [Catecismo da Igreja Católica n° 82].

E novamente, no Catecismo n° 97:

“A Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um só sagrado depósito da Palavra de Deus…” [Catecismo da Igreja Católica n° 97].
Observe como o Catecismo de Roma coloca a sua “Sagrada Tradição” antes da “Sagrada Escritura”. Na verdade, Roma quer que você acredite e confesse que as tradições católicas também são a “palavra de Deus” e deveriam ser “aceitas e honradas” com a mesma devoção e reverência que alguém tenha pela Bíblia. Não somente estão eles desobedecendo ao mandamento de Deus que nenhum homem pode adicionar ou retirar qualquer coisa de Sua palavra, como também não estão ouvindo ao seu “primeiro papa”, Pedro.

Iniciando em 1 Pedro 1:9-12:

“Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas. Da qual salvação inquiriram e trataram diligentemente os profetas que profetizaram da graça que vos foi dada, indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava, anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir. Aos quais foi revelado que, não para si mesmos, mas para nós, eles ministravam estas coisas que agora vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho; para as quais coisas os anjos desejam bem atentar.” [1 Pedro 1:9-12].
Observe que Pedro está dizendo que “o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas” foi profetizado há muito tempo, séculos antes de Jesus iniciar Seu ministério. Onde isto coloca as tradições que Roma continuamente “evoluiu” (alterou) ao longo dos séculos? Em 1 Pedro 1:18-25, lemos:
“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado.” [1 Pedro 1:18-19].
Por que Pedro não exaltou a tradição como sendo igual à palavra de Deus? Pedro escreveu que devemos estar confirmados “na presente verdade”.
“Por isso não deixarei de exortar-vos sempre acerca destas coisas, ainda que bem as saibais, e estejais confirmados na presente verdade.” [2 Pedro 1:12].
Estar confirmado significa não alterar a “presente verdade”. Novamente, esse é um testemunho contra o catolicismo, que admite prontamente que suas doutrinas e práticas mudaram -“evoluíram” — ao longo do tempo.
Aqui estão somente alguns poucos exemplos da contínua evolução das práticas pagãs trazidas para dentro da Igreja Católica Romana, a partir do ano 310:
  • As rezas pelos mortos foram introduzidas no ano 310.
  • Acender velas, em 320 [NT: uma prática pagã].
  • Culto aos santos, em aproximadamente 375.
  • A missa foi instituída em 394.
  • O culto a Maria começou a ser desenvolvido por volta do ano 432.
  • Os sacerdotes começaram a usar paramentos especiais em 500.
  • A doutrina do purgatório foi introduzida em 593.
  • O culto em latim (mais tarde removido) foi ordenado em 600.
  • A reivindicação da supremacia papal fincou pé em 606.
  • As festas em honra à Virgem Maria iniciaram em 650.
  • O costume de beijar os pés do papa foi introduzido em 709.
  • O culto às imagens e relíquias foi autorizado em 788.
  • A invenção da água benta ocorreu por volta de 850.
  • A canonização dos santos foi formalizada em 993.
  • As festas pelos mortos foram introduzidas em 1003.
  • O celibato clerical foi declarado em 1074.
  • O dogma da infalibilidade papal foi anunciado em 1076.
  • As contas para rezas foram introduzidas em 1090.
  • A doutrina de que há sete sacramentos foi introduzida em 1140.
  • A venda de indulgências começou em 1190.
  • A hóstia substituiu o pão da comunhão em 1200.
  • O dogma da transubstanciação foi adotado em 1215.
  • A confissão auricular foi instituída em 1215.
  • A adoração da hóstia começou em 1220.
  • A Ave Maria foi introduzida em 1316.
  • O cálice deixou de ser servido aos leigos em 1415.
  • A doutrina do purgatório foi decretada oficialmente em 1439.
  • A tradição romana foi equiparada ao mesmo nível das Escrituras em 1546.
  • Os apócrifos foram incorporados ao cânon em 1546.
  • A imaculada conceição da Virgem Maria foi anunciada em 1854.
  • A doutrina da infalibilidade papal foi proclamada em 1864.
  • A presença pessoal corpórea da Virgem no céu, em 1950.
Todas essas doutrinas que foram criadas estão gritantemente distantes da “presente verdade”. Como Roma não percebeu tudo isso? Por que reivindicar que seguem a Pedro como sua “pedra” e ainda assim ignoram seus ensinos?

Continuemos. Roma ensina, em seu Catecismo n° 85:

“A tarefa de dar uma autêntica interpretação da Palavra de Deus, se é em sua forma escrita ou na forma da Tradição, foi delegada ao magistério vivo somente da Igreja”. [Catecismo da Igreja Católica, n° 85].
Como “sucessora de Pedro”, a hierarquia romana alega que ela, sozinha, (isto é, o Magistério católico) tem o direito de interpretar as Escrituras, dizendo-se a única e grande intérprete da Bíblia. Essa é uma das mais importantes doutrinas usadas pelo Magistério para silenciar a todos que ousam questionar suas distorções das Escrituras! Você não pode discutir com os católicos usando as Escrituras, porque eles negam que você possa interpretar o que está escrito. Você ouvirá argumentos como: “Esta é a sua interpretação!”, ou “Não é assim que a Igreja Católica interpreta essa Escritura”.
Sim, por interpretação particular, Roma faz as Escrituras dizerem o que ela bem entende, e ninguém tem o direito de questionar a sua autoridade. Curiosamente, Roma usa 2 Pedro 1:20-21 para negar a cada homem e a cada mulher o direito de interpretar o que eles lêem diretamente. Entretanto, essa parte da Escritura testifica contra Roma!
“Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” [2 Pedro 1:20-21].
Veja, não foi Roma que nos deu essa palavra, foi Deus! O Salmo 68:11 diz: “O SENHOR deu a palavra; grande era o exército dos que anunciavam as boas novas.” Como foi Deus quem deu a palavra, é Deus quem interpreta Sua própria palavra! “…Não são de Deus as interpretações?” [Gênesis 40:8]. Jesus nos disse para examinarmos as escrituras. Ele abriu o entendimento para a Sua palavra após a ressurreição! “Então abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras.” [Lucas 24:45].

Fonte: http://www.espada.eti.br/n2042.asp

O Bíblico Apóstolo Pedro Versus o Pedro do Catolicismo Romano.

pesar de os católicos romanos devotos reverenciarem grandemente o apóstolo Pedro — chamando-o de “primeiro papa”, o ardente zelo religioso deles é indevido e sem base bíblica. Basta ler as palavras originais do apóstolo Pedro, conforme registradas nas Escrituras Sagradas, para se dar conta de diversos erros doutrinários nos ensinos do romanismo.
Esta estátua de “Pedro” (exibida à esquerda) é venerada pelos católicos em todo o mundo, ao ponto de o pé da estátua ter ficado desgastado pela quantidade de “beijos dos fiéis”. Sim, os lideres católicos ensinam as pessoas a amarem Pedro tanto que desconsideram aquilo que ele disse ao íntegro Cornélio quando este “prostrando-se a seus pés, o adorou”. Pedro disse“Levanta-te, que eu também sou homem.” (Atos 10:25-26).

O Catecismo da Igreja Católica n° 552 diz: “Por causa da fé que confessou, Pedro permanecerá a inabalável pedra da Igreja“. Entretanto, Pedro escreve em suas epístolas que Jesus é a pedra que os edificadores reprovaram — não ele! Leia cuidadosamente as próprias palavras de Pedro:


“Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, a pedra que os edificadores reprovaram, essa foi a principal da esquina. E uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados.” [1 Pedro 2:6-8].

Por que os “edificadores” católicos romanos não aprovaram Jesus como sua “pedra” quando o “primeiro papa” afirma que Jesus é a pedra? Eles fazem de Pedro sua “pedra” em vez de Cristo. O teólogo e historiador católico Peter DeRosa admite:
“Ouvir que os grandes pais da igreja não viam conexão alguma entre essa passagem (Mateus 16:18) e o papa é algo que pode abalá-los. Nenhum deles aplica ‘Tu és Pedro’ a qualquer pessoa, exceto a Pedro. Um após o outro, eles analisam: Cipriano, Orígenes, Cirilo, Hilário, Jerônimo, Ambrósio, Agostinho. Eles não são exatamente protestantes. Nenhum deles chama o bispo de Roma de uma pedra ou aplica a ele especificamente a promessa das chaves. Isso é assustador para os católicos… As surpresas não param por aí. Para os pais, é a fé de Pedro — ou o Senhor em quem Pedro tem fé — que é chamado de a pedra, não Pedro.” [Vicars of Christ (Vigários de Cristo), DeRosa, 24].


Se você é um católico fiel a Jesus Cristo, e acredita que a Bíblia é  a palavra de Deus. Não se deixe enganar pelos lideres católicos. Pegue a sua Bíblia, analise, compare, veja se as doutrinas da sua igreja batem com as doutrinas da Bíblia Sagrada. Não aceite ser enganado. Jesus quer que você conheça a verdade. Ele disse conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. 
Se quiser conferir o estudo completo clique aqui.

O que é a Luz

“No princípio criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas. (Gn 1.1- 4)”.
Muitas pessoas dizem que religião não combina com a ciência, e que as duas são totalmente distantes uma da outra. A minha opinião é que satanás é que distorce a verdadeira ciência, pois todas as leis físicas que regem a natureza são do SENHOR, lei da gravidade, a lei da ação e reação, relatividade a Luz que é o assunto desta postagem, e etc..
A ciência até os dias de hoje nunca conseguiu determinar com toda certeza o que é a luz. No século 17, Isaac Newton sugeriu que a luz era composta de pequenos corpúsculos, ou seja, partículas. Nos dois séculos seguintes, contudo, experimentos demonstraram que a radiação luminosa era composta de ondas, como descreveu, no século 19, o escocês James Maxwell. Inspirado pela mecânica quântica do alemão Max Planck, Einstein bagunçou tudo ao apresentar, em 1905, uma descrição da luz que só seria válida caso ela fosse composta de… partículas, mas até agora, ninguém chegou a uma resposta satisfatória do que realmente seja a luz.
O que é a luz?
Os cientistas dizem que a luz na forma como a conhecemos é uma gama de comprimentos de onda a que o olho humano é sensível.
Não sou cientista nem tenho pretensão de ser, mas quero aqui mostrar a minha percepção religiosa do que seja verdadeiramente a Luz. No livro de genes está escrito:
“No princípio criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas. (Gn 1.1- 4)”.
Percebemos por estes textos Bíblicos que no principio quando Deus criou os céus e a terra, está além de ser sem forma e vazia estava em trevas, ou seja, não tinha a Luz, pois até aquele momento a luz só existia no céu onde Deus habita, pois Nele habita a Luz e é própria Luz.
Nunca mais te servirá o sol para luz do dia nem com o seu resplendor a lua te iluminará; mas o SENHOR será a tua luz perpétua, e o teu Deus a tua glória. (Isaías 60:19)
“E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina. (Apocalipse 22:5)”.
Mas a luz só passou a existir na terra quando o TODO PODEROSO disse: Haja luz! Foi neste momento que a luz foi gerada, quando ela saiu de dentro de Deus através da sua PALAVRA alumiando toda a terra e os que nela habitam.
A luz se materializou.
Neste ponto em que a Luz foi gerada Ela não era matéria, pois, ainda não tinha massa. Mas em certo ponto da história da humanidade encontramos a luz se transformado em matéria. E isso é um ponto difícil para a maioria dos cientistas entenderem, pois lhes foi oculto esses mistérios e revelados aos pequeninos.
João falando de Jesus disse a seu respeito:
No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Ele estava no princípio com Deus.
Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.
Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.
Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.
Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.
Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu.
Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; (João 1.1-12)
Aqui João um simples homem humilde e servo de Deus explica que a Luz que alumia todo homem que vem ao mundo se materializou e habitou no meio de nós e vimos a sua glória, o seu brilho, seu resplendor como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
A luz se materializou e morreu para nos resgatar dos nossos pecados, e depois voltou para o seu lugar de origem no céu na habitação de Deus para que todos quanto crerem nesta Luz tenham vida eterna e se tornem filhos de Deus.
Por: José de Ribamar Castro Reis
Campestre do Maranhão-Ma
Na bíblia esta escrito:

Leia Mais…

Resto do Post

Nascimento de Jesus Cristo.

Nascimento de Jesus Cristo.
Jesus Cristo nasceu numa estrebaria em uma cidade humilde, Belém da Judéia. Apesar de ser Rei dos reis, não nasceu nesta vida como rei, nem viveu como um rei aqui da terra, embora Deus, não exigiu nem tampouco se apegou a seus direitos como Deus, mas pôs de lado seu imenso poder e sua glória, ocultando-se sob a forma de escravo e tornando-se como os homens e se humilhou ainda mais, chegando ao ponto de sofrer uma verdadeira morte de criminoso numa cruz (Filipenses 2.6-8 Viva). Queria nos mostrar que nós mesmos sendo filhos de Deus, nação santa, e povo adquirido, nesta vida devemos ser simples e humildes como Ele.
Não nasceu de uma forma natural com sendo resultado de relações sexuais, pelo contrário, nasceu da atividade sobrenatural do Espírito Santo como está escrito no Livro de Lucas:
“O Espírito Santo virá sobre você (Maria) e o poder de Deus a cobrirá com a sua sombra; por isso a criança que vai nascer de você será completamente santa – o Filho de Deus (Lucas 1.35 Viva), e no Livro de Mateus:
“José, filho de Davi”, disse o anjo, “não tenha dúvidas em tomar Maria como sua esposa, pois a criança que esta no seu ventre foi concebida pelo Espírito Santo (Mateus 1.20 Viva).
Normalmente, existem objeções a um nascimento virginal como sendo algo impossível. No pensamento acadêmico liberal, milagres são características de um fenômeno natural disfarçado. Alguém pode elaborar essa afirmação apontando casos de patogêneses no reino animal ou em modernas experiências de clonagem. Mas não é o caso de patogênese humana. É preciso pensar no nascimento virginal como algo sobrenatural, pois, para os seres humanos isso não é possível; mas, para Deus, tudo é possível (Mateus 19.26 NTLH).
Outro fato é que muitas pessoas pensam que Maria concebeu Jesus Cristo. Mas se Ele tivesse sido concebido de Maria a palavra do SENHOR entraria em contradição, pois está cristo no Livro de Jó:
Como, pois, seria justo o homem perante Deus, e como seria puro aquele que nasce da mulher? (Jó 25.24 JFA-RC.), e no Livro de Salmos:
Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe (Salmos 51.5 JFA-RC). Se assim o fosse, ou seja, Jesus ter sido concebido de uma mulher Ele não seria Santo e teria sido formado em pecado, mas sabemos que Jesus Cristo não pecou.
Resta-nos então afirmar e com veracidade que Jesus nasceu de Maria. Conceber é o mesmo que gerar ou ser formado, Jesus foi concebido, gerado, formado pelo Espírito Santo (Mateus 1.20). Nascer é sair do ventre materno ou do corpo de uma mulher, e isso está de conformidade com a Palavra em Hebreus que diz:
Pelo que, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, mas corpo me preparaste (Hebreus 10.5 JFA-RC).

Leia Mais…

Resto do Post

Existe mesmo um juízo para 1844?

A doutrina do suposto «Juízo Investigativo» para investigar e ver se os servos de Deus têm direito à uma ressurreição, complementa uma série de erros do segmento protestante do adventismo e lança por terra grandes verdades bíblicas! Anula a conclusão da salvação na cruz, deixando para 1844 a purificação dos pecados. Sugere uma oferta constante de sangue, quando na verdade a oblação do Mashiach Yeshua (Jesus) foi uma única. Rememora os pecados do povo de Deus, que a Palavra diz “estarem esquecidos para sempre”.
SEGUNDO ELLEN WHITE, QUAL É A FINALIDADE DO JUÍZO INVESTIGATIVO?
“… Os que no juízo forem havidos por dignos, terão parte na ressurreição dos justos…” (Grande Conflito, pág. 420).
Não há como negar: pelos escritos de Ellen White, profetisa adventista, o objetivo deste «embuste de juízo» é determinar quem está apto para ser ressuscitado na ressurreição dos justos.
Leitor, acompanhe conosco as alarmantes contradições desta doutrina!
De acordo com os Escritos da B´rit Chadashah, Deus não vê a necessidade de um «juízo» para identificar seus servos: …“O Senhor conhece os que são seus…” (II Tim. 2:19).
A Palavra testifica que Abel, Enoque, Noé, Abraão e outros, já tinham alcançado testemunho de que agradaram a Deus. Os textos dizem claramente que o tal «juízo investigativo» jamais existirá para estes heróis da fé  (Heb. 11:13,39).
QUANDO SE DARÁ O JULGAMENTO?
“Conjuro-te pois diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos na sua vinda e no seu reino” (II Tim. 4:1).
O texto é cristalino: haverá julgamento sim, mas somente na vinda do Mashiach Yeshua (Jesus), nunca no tal «juízo».
Todavia, escreveu Ellen White:
“A obra do juízo investigativo dos pecados deve efetuar-se antes do segundo advento do Senhor” (idem, pág. 448). Que “espírito de profecia” é este, que fala contra D-us?
O texto (NT) contesta esta idéia enganosa, garantindo que, os que estão em Cristo, não necessitam de juízo algum:
“Em verdade, em verdade vos digo: Quem escuta a minha palavra e crê naquEle que me enviou, tem a vida eterna e não vem a julgamento…” (João 5:24 – Bíblia de Jerusalém)
“Portanto, não existe mais conde-nação para aqueles que estão em Cristo Jesus” (Rom. 8:1- idem) .
Como podia Yeshua (Jesus) assegurar aos Seus  discípulos que estes se assentariam em 12 tronos (Mateus 19:28), se antes ainda teriam que passar por um fictício  «juízo investigativo», que se iniciaria em 1844?
A PURIFICAÇÃO DOS PECADOS OCORREU NA CRUZ; NADA FICOU PARA 1844!
“Assim também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos…” (Hebreus 9:28).
“…havendo oferecido, para sempre um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus” (Heb. 10:12). Não se pode afirmar o contrário disto: Jesus efetuou na cruz, total purificação dos pecados e nada  restou para 1844! Os pecados dos que criam eram apagados imediatamente no batismo, mediante a conversão (Atos 2:38; 3:19; I Cor. 6:11).
Reflita: Se os salvos ainda tiverem que passar por este «juízo», por que o batismo para remissão dos pecados?
Paulo disse que somos salvos, e não
que seríamos após tal juízo:
“Pela graça sois salvos…”(Efé. 2:8).
 PAULO NÃO ESPERAVA NENHUM JUÍZO
“…acabei a carreira, guardei a fé, desde agora, a coroa da justiça me está guardada…” (II Tim. 4:7, 8). Paulo não sabia deste «juízo», pois se soubesse teria que ter dito assim:
“A coroa da justiça me esperará depois que eu tiver passado pelo «juízo investigativo», que se iniciará em 1844!”
JESUS ENTROU NO SANTO DOS SANTOS, NA SUA ASCENSÃO, E NÃO EM 1844!
“Depois de o Senhor lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à destra de Deus” (Mar. 16:19).
…pelo seu próprio sangue, entrou  no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção” (Heb. 9:11, 12 – ARA).
Os escritos da senhora White, contradizendo a Nova Aliança, dizem que Jesus na Sua ascensão, entrou no primeiro compartimento do santuário celestial e lá permaneceu até o ano de 1844. Que somente após essa data, Ele passou para o segundo compartimento, o «Santo dos Santos», para fazer o julgamento de todos os servos de D-us. O primeiro deles teria sido Abel.
Seria isto verdade? Confira os textos a seguir e veja mais esta tremenda contradição! (Heb. 9:12; 9:24; 10:12;  Efé. 1:20; Col. 3:1; I Ped. 3:22; Apo. 3:21).
Os textos comprovam claramente: Yeshua desde que ascendeu ao Céu, se encontra no Santíssimo, assentado à direita de Deus, exercendo trabalho sacerdotal como nosso advogado e mediador.  Não está julgando a ninguém!
CONCLUSÃO: NADA FICOU PARA 1844!
Na cruz, Yeshua (Jesus) cumpriu tudo para nos salvar. Realizou um trabalho completo!
A partir do “está consumado”, Jesus concluiu e aperfeiçoou tudo (João 19:30; Mat. 27:51); abriu o véu do Templo e cancelou a todos os pecados cometidos sob a Primeira Aliança e de todos os que futuramente cressem no Seu nome (Heb. 9:15). Os que criam eram batizados e tinham seus pecados apagados no ato, portanto, nada, nada ficou para 1844!
Se desejar conhecer mais sobre este ensino, que de bíblico não tem nada, e conhecer outras grandes verdades da Palavra, entre em contato conosco.

Leia Mais…

Resto do Post